25 de fevereiro de 2010

Desafio da organização

Por incrível que pareça, um dos maiores desafios que um professor encontra em sala de aula é "o que fazer com os alunos muito bons?"

Em princípio, todo professor já aprendeu, na teoria e na prática, como lidar com as encrencas vindas de alunos ""problemas"" (muitas aspas aqui, por favor). As diversas possibilidades de questões disciplinares, psicológicas, cognitivas, físicas... são de conhecimento de todos. E uma das medidas para determinar o quão boa é uma escola é como ela ajuda o professor e o aluno nessa hora.

Mas conto nos dedos os momentos em que tive a oportunidade de discutir, na faculdade ou no trabalho, as dificuldades causadas pelos alunos ""bons"" (mais aspas aqui também).

Os alunos que vão caminhando sozinhos acabam sendo um pouco abandonandos. Na heterogeneidade da sala de aula eles muitas vezes se entediam, perdem o interesse e acabam causando problemas para si mesmos e para o ambiente.

Não por acaso, uma das formas que encontrei para atacar esse problema foi utilizar a minha maior paixão: os desafios matemáticos.

As vezes eu acho que nasci pra fazer isso. Gosto de sexo, de bicicleta, de música, de comida, de esportes, de cerveja, de conversar... mas o mundo pára quando tenho em minha frente um problema, um desafio, um enigma. Chego ao ponto de ter alguns desafios de estimação. E odeio, odeio, odeio quando alguém me conta a resposta antes de eu ter chegado nela por mim mesmo.

Encontrei várias vantagens ao levar desafios para a sala de aula: fugir do lugar comum dá aquela arejada para todo mundo, o aluno mais avançado se sente motivado, o aluno que não está de bem com a matemática da escola encontra um lugar para (talvez) renovar essa relação e, o mais importante, a aula fica mais legal.


Pensando nisso, a partir de segunda-feira a sessão desafios matemáticos será reformulada. Vou dividi-la em duas partes, uma com os desafios e a outra com as respostas. Os desafios aparecerão toda segunda (vou me esforçar muito para conseguir isso) e as respostas... bem, não é muito do meu feitio entregar respostas de bandeja, então pensei em fazer assim: se o post passar em branco, se não gerar discussão, eu mesmo farei a discussão na sexta-feira. Mas se alguém acertar antes de sexta ou se a discussão estiver boa, farei um post sintetizando tudo quando julgar oportuno.


Quem sabe assim eu acabo com essa pouca vergonha de ter mais publicações sobre bicicleta do que sobre matemática.

6 comentários:

iglou disse...

Ei, estou dando aula de Língua Portuguesa pros calouros em Matemática. Dizem que detestam língua portuguesa. Queria, assim como você, propor enigmas pra eles. Só conheço um:

Você está num corredor e tem na sua frente um painel com 3 interruptores. Um deles liga a luz na sala lá no fundo. Como você descobre qual dos 3 é o interruptor certo, se puder ir à sala só 1 vez?

Aposto que você já conhece esse. Tem mais, desse naipe?

Flor do Horizontee. disse...

seu pensamento sinceramente, é lógico..corret..e estimulante...o problema é coloca-lo na prática, principalmente quando eu me encaixo nos alunos não tão bons assim...
mais o legal do dia-a-dia é isso mesmo...é vencer cada desafio sozinho, e se sentir bem com isso...mais e aqueles que tentam tentam e,geralmente, nunca conseguem??

Silvio Tambara disse...

Iglou, entraremos em contato.

Flor do Horizontee, quem te colocou no grupo dos alunos não tão bons assim? Se você vê lógica, se te estimula, o que te falta?

Pr'aqueles que tentam, tentam e nunca conseguem, só tenho uma sugestão: troque a palavra NUNCA pelas palavras AINDA NÃO.

Nunca disse que seria fácil, tranquilo ou rápido. Mas sempre disse e continuarei dizendo que é possível e que pode ser muito prazeroso e recompensador.

Vamo que vamo!

Flor do Horizontee. disse...

eu me coloquei nesta posição...na hora em que eu tenho a ajuda para fazer, é tudo muito simples, mais quando sou eu e eu, a coisa comlpica(sei, é sinal de que algo está errado), não acho que o problema esteja na sua explicação, você explica bem, mais o problema está quando eu vejo que não sei fazer, e ai já é tarde demais.

Flor do Horizontee. disse...

falta inteligência em matemática!..

iglou disse...

Eu de novo.
Estou entre 'Mathematics, Magic & Mystery' e 'The Colossal Book of Short Puzzles and Problems' do Martin Gardner.
E você, já descobriu como descobrir qual é o interruptor que acende a luz?